STRESS- ESSA EPIDEMIA DOS TEMPOS MODERNOS

Sub Forum destinado à discussão de Temas relacionados com a Neurofisiologia

Moderadores: Joana_Ribeiro, DanielFBorges

STRESS- ESSA EPIDEMIA DOS TEMPOS MODERNOS

Mensagempor Susana Monteiro em Quinta, 09 Out 2008 09:28

"Why Zebras Don’t Get Ulcers"
by David Ruenzel

Dr. Robert Sapolsky is a Professor of Neurology at Stanford University. Dr.Sapolsky Spoke at the Brain Connection to Education Spring Conference 2000.

If Robert Sapolsky wasn’t a bit of a comedian as well as a celebrated neuroscientist, he may have had his audience clenching their teeth rather than bursting into fits of laughter. For his presentation on the effects of stress on the human body and brain contained a powerful message: stress kills slowly, suppressing the immune system, shutting down growth, and eroding memory and the ability to learn.

Why Zebras Handle Stress Better Than Humans

Many of Sapolsky’s insights regarding the effects of stress first emerged during the years he spent studying primates in the Serengeti in Africa. "Stress is anything in the external world that knocks you out of homeostatic balance, "Sapolsky said. "Let’s say you’re a zebra, and a lion has leaped out, ripped your stomach out. . . this counts as being out of homeostatic balance."

For a zebra, though, stress had an extremely short if potentially deadly span; it was "three minutes of screaming terror" after which the animal was either dead or once again roaming the Savannah and feeling safe. Human beings, on the other hand, had an "anticipatory stress response" that spun easily out of control, like a car losing traction on an icy slope.

"If you think you’re about to be knocked out of homeostatic balance and really aren’t, and this happens on a regular basis, then you’re being anxious. . . paranoid. . . profoundly human," Saplosky said. The point is that humans, unlike primates, "can get stressed simply with thought, turning on the same stress response as does the zebra." And when that stress response is turned on chronically, "We get sick."



O próximo texto contem uma história mesmo interessante de como o stress pode afectar uma criança e o sistema fisiológico...

The Devastating Effects Of Stress On Children

Just what are the effects of chronic stress on people? Sapolsky cheerfully enumerated a series of maladies, including colitis, Addison’s disease, arteriosclerosis, sexual dysfunction, and neurological damage. Most frightening of all, perhaps, was the cessation of growth in seriously stressed children.

Saplosky related a story about a boy from a very psychologically-abusive setting who was hospitalized in a New York hospital with zero growth hormone in his bloodstream. Over the next two months he developed a close relationship with the nurse at the hospital–undoubtedly the first normal relationship he had ever had–and soon, amazingly enough, the growth hormone levels zoomed back to normal. The nurse then went on vacation and the levels dropped again, rising once more immediately after her return.

"Think about it," Sapolsky said, commenting upon the story. "The rate at which this child was depositing calcium in his bones could be explained entirely by how safe and loved he was feeling in the world." He added that while this standard textbook version of stressed dwarfism is rare, there is nevertheless "major league psychopathology" throughout society, retarding human growth.

"Major stress is the police and social workers breaking down the door of the apartment, finding the kids who have been locked in the closet for two months, the food slipped under the door. Total nightmare situations that turn out often in history. . . kids in war zones, kids in areas of civil strife."


ReGENERAÇÃO NEURONAL E STRESS:

Stress And The Brain

Sapolsky then pushed on with what he termed "more bad news–the devastating effects of chronically secreted stress hormones in the brain."

"Chronic," Sapolsky made clear, is the key word; stress hormones secreted into the brain can actually make you think more clearly over the short term. The student cramming for a final exam initially benefits from increasing oxygen delivery and nutrients to the brain. But by the six-hour mark that student would be thinking less clearly, the neurons not working as well and the capacity for memory retrieval fading.

So what happens over the long haul to a stressed individual? "Over the course of days to weeks of sustained stress, we now know that these neuronal processes, these things neurons use to talk to each other, are beginning to atrophy and retract in the hippocampus. But it’s reversible at this point, so if you stop the stress you’ll be okay. But if it goes on further you’ll halt the process that is revolutionary in neuroscience."

The revolutionary process Sapolsky was referring to involves the capacity of the atrophied hippocampus to renew itself, to return to normal size. Until recently, this was thought impossible–it was commonly believed that if you lost brain cells they were lost forever. "You can make new neurons in your brain after all," Sapolsky said, "and especially in the Hippocampus in response to things like learning and environmental stimulation. But stress will block the formation of new neurons."

While the hippocampus does have the capacity to regenerate, it’s far from certain that this will occur, Sapolsky asserted. People who have endured horrible stress, such as Vietnam combat veterans and victims of prolonged childhood sexual abuse, are often fated to suffer permanent damage to the hippocampus, resulting in memory loss.

Depression, "what Sapolsky termed the common cold of psychopathology," also attacked the hippocampus with stress hormones. Massive long-term depression, he said, was almost certain to cause permanent damage in the form of memory loss.

"All of this stuff is perfectly disturbing, especially when you think about it in the realm of kids’ brains that are all about making new neurons and growing new processes. Everything I just told you about adult stress on the brain. . .multiply it ten-fold when you think about a ten year-olds brain."



"Fomos suficientemente espertos para inventar uma coisa como o stress, mas de vez em quando estúpidos o suficiente para cair nele":

Coping With Stress

At this point Saplosky apologized for "depressing the hell out of all of you," and seemed determined to finish with some good news. "The fact is," he said, "that some of us are fabulous at coping, and I want to spend to last few minutes looking at why some of our psyches deal with stress better than others."

Rat studies, Sapolsky said, have demonstrated several things about dealing with stress. For one thing, rats getting shocks can deal with it a lot better when they have an outlet: a bar to gnaw at, for instance. They also deal with the shocks better when they feel they have some control (even illusory control) over the number they receive, and when they have a sense that things are getting better–the rat going from 50 to 25 shocks feels a lot better than the rat going from 10 to 25.

All of this, Saplosky believed, was applicable to human beings. He also mentioned one that was essential in dealing with stress–"having a shoulder to cry on." "The biggest predictor of mortality across the board for all infectious disease is the degree of social isolation versus social affiliation. People who live alone don’t have someone to remind them to take their medicine every day and don’t have healthy dinners. Social isolation, then, is a major health-risk factor."

Saplosky ended his presentation by referring to stress "as stuff we make up in our heads." He believed that "insofar as we are smart enough to have invented this stuff and stupid enough to occasionally fall for it, potentially we have the wisdom to keep it all in perspective so that we’re not done in by it."



NOW...CHILL OUT!! :weedman:
Avatar do utilizador
Susana Monteiro
Moderador Global
 
Mensagens: 576
Idade: 34
Registado: Quarta, 09 Jan 2008 16:23
Localização: Vila Nova de Gaia
Sexo: Feminino
Área TDT: Anatomia Patológica

Re: STRESS- ESSA EPIDEMIA DOS TEMPOS MODERNOS

Mensagempor Lee Conde em Domingo, 10 Out 2010 20:38

boa noite! eu sou nova por estas bandas....
este topico chamou-me a atençao porque infelizmente sofro de stress ou ansiedade, é msm a epidemia dos tempos modernos, quando falo a alguem que sofro deste mal noto o quanto não estou sozinha pois toda a gente me fala do mesmo!
ha 4 anos dei entrada de urgencia no hospital, onde me foi diagnosticado ataques de panico e crises de ansiedade, resultado: paroxetina, alprazolam e victan como s.o.s.,hoje em dia so tomo o alprazolam e aderi aos produtos naturais pra me ajudar a livrar-me dos quimicos, ou seja, valeriana! ja ouvi varias opinioes, gostava de saber se existem interaçoes entre o alprazolam e a valeriana, ja tomo os 2 ha uns tempos e nunca me senti mal, embora esteja a diminuir a quantidade de alprazolam cada vez mais ate deixar por completo, ou seja tou a fazer o desmame com a ajuda da valeriana. Ha algum problema neste modo de desmame?
em relaçao a contraceptivos, tomo a gynera, algum destes 2 medicamentos (alprazolam/valeriana) corta o efeito?

obrigado a todos!
Lee Conde
Membro Iniciante
 
Mensagens: 6
Registado: Domingo, 10 Out 2010 20:22
Área TDT: Não aplicável

Re: STRESS- ESSA EPIDEMIA DOS TEMPOS MODERNOS

Mensagempor Nunofarma em Domingo, 10 Out 2010 21:29

Cara Lee:

A valeriana pode aumentar o efeito de drogas que têm um efeito sedativo, incluindo as seguintes:

• Anti-convulsivos, como fenitoína e ac. valpróico
• Barbitúricos
• Benzodiazepinas, como alprazolam (Xanax) e diazepam (Valium)
• Medicamentos para tratar a insónia, como zolpidem, zaleplon, eszopiclone e ramelteon
• Os antidepressivos tricíclicos, como a amitriptilina
• Álcool


O ácido valeriânico presente na Valeriana pode interferir com o bom funcionamento do fígado; a Valeriana não deve, por isso, ser tomada quando se estiver a tomar os seguintes medicamentos, pois corre-se o risco de haver uma grande sobrecarga medicamentosa para o fígado:

• Os anti-histamínicos
• Estatinas (medicamentos utilizados para baixar o colesterol)
• Alguns antifúngicos
• Protectores da mucosa gástrica como omeprazol, pantoprazol e esomeprazol


É claro que isto só se aplica se estiveres em tratamento prolongado com os medicamentos acima referidos.

Podes sempre tentar, outro tipo de terapias, e deixar de vez os químicos ou naturais como a hipnose, acupunctura, terapia sacro-craneana ou yoga e actividades físicas do teu interesse.

No que diz respeito, a interacções com gynera, não há qualquer tipo de preocupação, a não ser os efeitos hepato-toxicos, mais uma vez, se bem que menos graves.

Os medicamentos, sejam químicos ou naturais, são um “mal necessário”, que devemos, logo que pudermos, deixar de usar.


PARA CONCLUIR:

EU DIRIA QUE, O USO CONCOMITANTE DE ALPRAZOLAM E VALERIANA, É COMO UM SINAL AMARELO, ENTENDES? NÃO É TOTALMENTE SEGURO.

ACHO TAMBÉM, QUE DEVERIAS E DEVES CONTACTAR O TEU MÉDICO, PARA LHE EXPLICAR, A MUDANÇA E A INTRODUÇÃO DA VALERIANA, DIZER-LHE QUE TE SENTES MELHOR COM A VALERIANA, MAS NUNCA DEVEMOS, SUSPENDER OU INTRODUZIR UM FARMACO NOVO, SEM CONSULTAR O NOSSO MÉDICO OK? (muito importante)


Espero ter ajudado, um abraço.
Nunofarma
Membro
 
Mensagens: 57
Registado: Sexta, 26 Mar 2010 23:22
Sexo: Masculino
Área TDT: Farmácia

Re: STRESS- ESSA EPIDEMIA DOS TEMPOS MODERNOS

Mensagempor Lee Conde em Domingo, 10 Out 2010 22:56

em primeiro lugar quero agradecer o esclarecimento, muito obrigado!!
desculpa mas ha um ponto que nao entendi! quando falas na gynera, efeito hepatotoxico, o que queres referir com isso?
reduz o efeito contraceptico a valeriana ou o alprazolam? ou é algo a nivel de figado?e quais os medicamentos conjuntos que manifestam isso?Valeriana+alprazolam? ou msm os ansioliticos e gynera? desculpa mas fiquei confusa neste tema.
gostava de ter a certeza k nem a valeriana nem o alprazolam retiram a eficacia da gynera!
muito obrigado mais uma vez!

já experimentei a acupunctura, penso iniciar o yoga....
sim, quero vencer esta batalha....

obrigado, um abraço
Lee Conde
Membro Iniciante
 
Mensagens: 6
Registado: Domingo, 10 Out 2010 20:22
Área TDT: Não aplicável

Re: STRESS- ESSA EPIDEMIA DOS TEMPOS MODERNOS

Mensagempor Nunofarma em Segunda, 11 Out 2010 01:21

Lee:

Em relação à gynera, a perda de eficácia, pela acção da valeriana, ou do alprazolam, quer em separado ou em conjunto, não precisas de te preocupar, não existe de todo esse perigo, ok?

De resto, digo-te novamente que em associação com benzodiazepínas que é o caso do alprazolam, ela produz um efeito sinérgico no que diz respeito a sua acção (do alprazolam), ou seja, pode torná-lo mais potente, e por sua vez pode ocorrer um interferência no sistema nervoso central, como por exemplo, alteração do ritmo cardíaco, quebra de tensão forte que pode levar a uma alteração grave do ritmo cardíaco, mas não é frequente, não quero que fiques assustada, mas pode acontecer ok? ...por isso eu acho que deves sem dúvida nenhuma conversar isso com o teu médico.

Quanto à hepato-toxicidade tem a ver com o fígado sim.

É algo mais técnico, eu explico-te mas não é caso para te preocupar muito ok?

De acordo com a literatura, teoricamente, doses adequadas de valeriana não produzem efeitos clinicamente importantes no metabolismo de fármacos dependentes das isoformas CYP3A4, CYP2C9 ou CYP2C19 do sistema P450 de metabolização hepática (Donovan et al., 2004; Gurley et al., 2005a). Contudo, como estes estudos são insuficientes, recomenda-se o acompanhamento dos pacientes que utilizam medicamentos fitoterápicos à base de valeriana, concomitantemente, com fármacos metabolizados pelo fígado (Williamson, 2005; Micromedex, 2006), como por exemplo,contraceptivos, estatinas, protectores da mucosa gástrica, alguns antibióticos e antineoplasicos e benzodiazepínas.

Uma coisa que me chamou a atenção, é que alguns fármacos fitoterapicos (que chamamos de “naturais”), têm associações, a valeriana por vezes surge em algumas formulações associada a hipericão, e este produto “hipericão”, este sim interfere com medicamentos contraceptivos.

Deves verificar se no rótulo da valeriana que tomas não tem hipericão, ok?

Fica bem, vais de certeza ultrapassar esta fase…muita força. :D

Qualquer coisa dispõe.


Abraço, Nuno.
Nunofarma
Membro
 
Mensagens: 57
Registado: Sexta, 26 Mar 2010 23:22
Sexo: Masculino
Área TDT: Farmácia

Re: STRESS- ESSA EPIDEMIA DOS TEMPOS MODERNOS

Mensagempor Fernando Leite em Segunda, 11 Out 2010 09:42

Olá, bom tópico !

Já que estamos numa de stress e ansiedade deixo aqui 3 sugestões :)

:arrow: Yoga, Yoga e mais Yoga. Sou aluno de Yoga e mudou a minha vida.

:arrow: Reiki. Sou Reikiano 1º grau e digo-vos é uma benção dos céus.

:arrow: E pq stress e ansiedade são mtas vezes sintomas da depressão ( que as vezes demora 5 anos a ser diagnosticada ) aqui fica um novo site português que vem refletir a preocupação crescente que se tem tido ao aumento brutal de casos de depressão... Pois é a crise não afecta só a carteira :)

http://www.adepressaodoi.pt/ :wink:
Imagem Imagem
Avatar do utilizador
Fernando Leite
Fundador
 
Mensagens: 2655
Idade: 41
Registado: Terça, 11 Out 2005 22:23
Localização: Santa Maria da Feira
Área TDT: Radiologia

Re: STRESS- ESSA EPIDEMIA DOS TEMPOS MODERNOS

Mensagempor Lee Conde em Segunda, 11 Out 2010 13:46

muito obrigado NUNOFARMA, muito obrigado pelo esclarecimento!!
valeriana que tomo nao tem hipericão, esse eu ja sabia que cortava o efeito da pilula contaceptiva,
a minha valerian é composta por:
-valeriana officinalis (valeriana;raiz), aglutinante:amido modificado de milho, diluente:celulose microcristalina, valeriana officinalis (valeriana; estracto seco 5:1 da raiz),anti-aglomerante: fosfato dibásico de clacio anidro, lubrificante: estearato de magnesio, antiaglomerante:dioxido de silicio.

é so o que tem a valeriana 500mg, não ha vestigios de hipericão.

muito obrigado....
Lee Conde
Membro Iniciante
 
Mensagens: 6
Registado: Domingo, 10 Out 2010 20:22
Área TDT: Não aplicável


Voltar para NEUROFISIOLOGIA

Quem está ligado

Utilizadores a navegar neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante

cron